Como será o seu Trabalho em 2018

Postado em 19/03/2013 às 08:57hs

Funcionários tratados como clientes por empresas, trabalhando em um espaço sem divisões e que foram contratados não pelo que sabiam fazer, mas, sim, pelo seu potencial profissional.

É dessa forma que a consultoria PSFK Labs, de Nova York, enxerga o ambiente de trabalho em 2018. A empresa tem clientes como IBM, Microsoft e GE. Eles publicam relatórios sobre o cenário de um determinado setor -o primeiro foi sobre o futuro do varejo. No começo deste ano, lançaram um estudo chamado "O Futuro do Trabalho", em que a consultoria identifica práticas que devem estar mais presentes nas empresas daqui a cinco anos.

Ao longo do ano passado, foram feitas 1.200 entrevistas com funcionários, empresários e especialistas de companhias de diversos portes.

http://www.holdenrh.com.br/blog/630/1363694154.jpg

Piers Fawkes, sócio da consultoria, diz que as corporações "precisarão ter uma cultura de flexibilidade para se adaptar às mudanças do mercado, e isso terá um impacto grande sobre como iremos trabalhar no futuro".
Essas ideias, identificadas principalmente em empresas de tecnologia dos EUA, vão demorar muito mais do que cinco anos para chegar no Brasil, opina Elvira Berni, sócia-diretora da consultoria People on Time. Ela considera que os executivos que estão hoje no comando das grandes empresas aqui não dão muita importância a esse tipo de novidade. Os novos profissionais, sim, mas "mudanças de baixo para cima acontecem lentamente", diz.

Para Ricardo Antunes, professor titular de sociologia do trabalho da Unicamp, hoje, a fábrica taylorista, cujas regras foram escritas em estudos de Frederick Taylor (1856-1915), "foi substituída pela empresa enxuta, baseada em metas e flexível".

A motivação de mudanças na forma de trabalhar acontecem porque as empresas se organizam levando em conta a produtividade no trabalho. "A flexibilização produtiva trouxe uma alteração organizacional e espacial."

LOCAIS SAUDÁVEIS

Desde que o Buscapé Company mudou de sede, há três anos, menos gente pede demissão e os funcionários passaram a entregar seus projetos mais regularmente, sem atrasos. É o que diz Pompeu Scola, 50, vice-presidente de desenvolvimento organizacional.

Ele destaca que um dos fatores que contribuíram para isso foram os espaços recreativos da companhia: há mesas de pebolim, de pingue-pongue e para outras atividades (até uma quadra de basquete).

Os profissionais da empresa "são criativos, mas têm dificuldade para passar horas sentados e precisam ter rupturas para poder respirar", ele afirma.

No Facebook, os funcionários da área de informática atendem aos chamados de skate e o responsável pela operação na América Latina, Alexandre Hohagen, às vezes, anda de bicicleta pelo escritório.

A medida está em sintonia com o que diz a pesquisa: "Lugares construídos com preocupação com a saúde, para superar o sedentarismo, aumentam o foco e a produtividade".


FAZENDO E APRENDENDO

Na hora de contratar, a empresas não vão contratar um profissional que já domina o trabalho que ele vai fazer porque a organização entenderá que o funcionário irá adquirir os conhecimentos à medida que trabalha.

Foi o que aconteceu com Cesário Bruno de Barros Martins, 27. Ele estudou engenharia, nunca abriu um único livro sobre marketing na vida, mas foi chamado para trabalhar como diretor de marketing da Mobly, um site que vende móveis.

Para se adaptar à função, Martins conversou com outros profissionais da área e pesquisou o que existe sobre o assunto na internet e, por tentativa e erro, foi aprendendo o trabalho.

"O que importa é a vontade de fazer acontecer porque a maneira de operar muda rapidamente e o conhecimento fica obsoleto com a mesma velocidade."
As pessoas estão sendo contratadas sem um escopo definido de trabalho. É como se a empresa dissesse: 'Você vai fazer mais ou menos isso, mas também outras coisas vão aparecer que não sei quais são'."


ESPAÇOS FLEXÍVEIS

O conceito do espaço flexível, e multiuso é uma das tendências que o estudo da PSFK identifica.

A organização do espaço segue a lógica de outros itens da pesquisa: quanto mais adaptável, melhor. Nesse caso, um cômodo curinga também serve para resolver o problema da falta de imóveis para escritórios em cidades saturadas, afirma Wesley Robinson, um pesquisador da consultoria.

Na sede do Facebook em São Paulo, até o mobiliário foi pensando para atender a demandas diferentes: no escritório, algumas mesas podem ser ajustadas para quem quiser trabalhar sentado ou em pé.

Segundo Ana Carolina Borghi, diretora de RH do Facebook para América Latinak, a adaptabilidade do espaço é um reflexo da cultura da própria empresa e também das pessoas que trabalham lá.

Na escritório do Buscapé Company há um espaço de 400 metros quadrados que serve para "reuniões, para alguém ler, para 'happy hour' e para quem quiser deitar nas redes ou jogar", explica Pompeu Scola, 50, vice-presidente de desenvolvimento organizacional.

E-RECICLAGEM PROFISSIONAL

A consultoria PSFK afirma que cursos de reciclagem pela internet serão mais frequentes nas empresas.

Carlos Souza, 32, sócio da Veduca, que disponibiliza vídeos de cursos, ressalta que um dos maiores sucessos no site é um conjunto de aulas que foram gravadas em Stanford, nos EUA, chamado "Desenvolvendo Aplicativos para iPhone".

Para ele, isso demonstra que há forte demanda por qualicação técnica.

Na Whirlpool, que fabrica eletrodomésticos, a gerente Salete Deon, 42, recebeu treinamento on-line para mitigação de riscos e gerenciamento de contratos.

Ela considera que os cursos "podem dar muito certo", mas só para treinamentos relativamente curtos, com objetivos definidos, e não como formação. Mas não é só para aprender novas habilidades que os profissionais usam ferramentas de aprendizado pela web. "Sou consultor e tenho que estar antenado para conversar com os clientes", diz Fagner Marques, que acompanhou pela internet os vídeos das aulas do curso de teoria dos jogos de Yale.


TRABALHO COMO TESTE

Outra tendência apontada pelo estudo é um processo seletivo que busca saber precisamente se há identificação entre profissional e a empresa.

Silvio Celestino, diz que há empresas que confiam muito na intuição na hora de contratar alguém.

Uma forma que pode se disseminar no futuro para escolher o profissional é submetê-lo a um período de trabalho que funcione como teste. Um dos autores da pesquisa da PSFK, Wesley Robinson, considera que, dessa forma, "ambos [empresa e profissional] vão saber mais sobre o outro".

Foi o que aconteceu com Vinicius Xavier Marino, 24, estagiário do site de roupas e objetos Airu. Durante a entrevista, foi chamado para ficar na companhia por um dia.

"Vi como era a rotina." Ele diz que aproveitou o período para pensar se realmente queria trabalhar lá. Marino acabou aceitando o emprego.

Um processo parecido aconteceu entre a empresa de aplicativos Kekanto e a administradora de empresas Fernanda Miranda da Cruz, 27. A diferença é que não foi um dia, mas uma semana inteira de teste. Cruz, que foi remunerada pelo trabalho, considerou que essa forma de contratar é mais eficaz do que "uma entrevista em que os dois lados falam como são bacanas".

Foi a segunda experiência assim na Kekanto, conta o diretor Fernando Okumura, 34. Na primeira, ele achou que o candidato não se encaixava. Com Cruz foi diferente -atualmente, empresa e profissional estão em negociação.

E você gostou dessas perspectivas para seu trabalho? Conte para gente!

Fonte: Folha online
Comentários

mtb

19/03/2013

para ler novamente em 2019

Juliana

19/03/2013

Este teste de uma semana é bom e não pe ao mesmo tempo. . . porque pode ser que na primeira semana a pessoa ainda não se encaixe na cultura da empresa, então por isso acho importante os 3 meses de experiência, porque muitas vezes os ser humano precisa de um tempo para se adaptar, às vezes para deixar a cultura da empresa anterior para trás e se encaixar na nova. Enfim, é o tempo de adaptação

* campos obrigatórios
Procurar no Blog

A Holden

A Holden Recruiting Talents é uma empresa global de consultoria em RH, especializada em soluções de recursos humanos com foco em recrutamento e seleção, buscando o que há de mais moderno e eficaz para atender os seus clientes. Com uma equipe altamente especializada e com ampla experiência de mercado, atuamos também nos segmentos de administração de contatos e avaliações comportamentais.

Categorias

A Holden

Carreira

Divisões

Eventos

Lançamentos

Oportunidades

Assine nossa newsletter

Escolha sua área de interesse e fique por dentro de todas as novidades da Holden.

Executivos Staffing
Estagiários / Trainees Especialistas
TI Notícias Gerais